Com academia, ela recuperou a autoestima após vencer o câncer de mama

Mesmo com hábitos saudáveis e nenhum histórico familiar, Cristiane teve câncer de mama. Recuperar a autoestima após o tratamento foi um desafio

Por: Maria Cecília Arra26/10/2020

vencer o câncer de mama

A analista financeira Cristiane Leal Alves da Silva tem hoje 45 anos. Há pouco mais de dois, desconfiou de um cisto e fez o certo – procurou ajuda médica. Abaixo, ela nos conta como a jornada como paciente de câncer de mama a fez redescobrir o gosto pela vida.

vencer o câncer de mama antes
Cristiane buscou um médico para investigar um nódulo Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A desconfiança e o diagnóstico

No início de 2018, descobri que tinha um câncer.

Tudo começou quando sofri um aborto espontâneo. Eu fiquei com as mamas muito inchadas e, a partir daí, vários cistos apareceram, um deles era um pouco maior. Procurei o ginecologista para fazer o de praxe: mamografia e ultrassonografia. Até esse momento, não tinha passado pela minha cabeça ter câncer.

Passei a tratar esse nódulo, mas ele só aumentava. Começou a repuxar a pele. Achei estranho e passei a prestar mais atenção, apalpando a região. Notei alteração na minha axila, que também tinha um carocinho. Fiquei preocupada e decidi, por conta própria, buscar o mastologista [especialista nos cuidados das glândulas mamárias]. Ele pediu para repetir todos os exames e, desta vez, solicitou uma biópsia. Com o resultado em mãos, orientou que eu entrasse em contato com o meu médico com urgência. Aí, veio a bomba: carcinoma invasivo mamário. Um tumor maligno. Caí em desespero. Afinal, a gente nunca imagina – eu era jovem, sempre mantive hábitos saudáveis e não tenho histórico familiar de câncer.

O tratamento e as emoções

O câncer crescia rápido, 3 cm logo viraram 3,8 cm. Então, fui encaminhada ao oncologista para dar início ao tratamento.

Na quimioterapia, passei por todo aquele processo: meu cabelo caiu e eu fiquei bastante debilitada. A essa altura, eu já tinha nódulos nas axilas também. Foi um tratamento bastante agressivo, a gente acaba encarando uma reestruturação emocional muito grande. Eu me fechei completamente, e não quis nem procurar ajuda psicológica. Depois, a fase mais branda da quimio também me debilitou.

Seis meses após o começo da minha jornada, o câncer ainda não tinha desaparecido e tive de me submeter a uma cirurgia. Então, optei por fazer uma mastectomia com reconstrução mamária. Os médicos são muito conscientes em dar orientação e atender o desejo da paciente, porque é muito difícil uma mulher chegar determinada a tirar a mama.

vencer o câncer de mama 2
Cristiane foi orientada a praticar atividade física enquanto fazia fisioterapia. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A cirurgia e o impacto

Fiz a primeira cirurgia, que foi a retirada total da mama e o esvaziamento das axilas. Na recuperação, também recebi indicação de radioterapia.

Quando você descobre um câncer, se arma para lutar contra ele, mas não está preparada para o depois: ver a retirada da sua mama, entender como você se sente como mulher, com o seu marido e sua família… Para completar, a radioterapia causou queimaduras na minha pele e me deixou muito angustiada. Ali, eu percebi o trauma que tudo isso causa fisicamente na mulher. Sempre fui vaidosa. De repente, me vi queimada, com a mama deformada. Acabei tendo uma certa rejeição à prótese mamária, além disso senti muitas dores. O médico me disse que, naquele momento, não poderíamos operar novamente.

Pouco tempo depois, parti para a minha segunda cirurgia: a de retirada da prótese e de uma nova reconstrução mamária. Dessa vez, os médicos colocaram uma espécie de tela para evitar que a mama enrijecesse, como na primeira vez.

A depressão e a volta por cima

Enquanto fazia fisioterapia, como parte da recuperação, fui aconselhada a retomar a atividade física.

Na verdade, eu estava em depressão. Eu chorava constantemente, não me reconhecia como mulher e isso estava prejudicando meus relacionamentos pessoais e profissionais – eu já havia retornado ao trabalho, mas fui afastada novamente. Durante esse período, fiz um tratamento sério de psicoterapia e psiquiatria. Da boca dos especialistas, ouvi: “Olha, Cris, você precisa querer melhorar. Só os remédios não vão bastar. Você tem que querer sair dessa”.

Academia para recuperar a autoestima

Passei a me olhar mais. Eu sempre gostei de me cuidar. Então, resolvi me matricular na Smart Fit. Expliquei para o instrutor toda a situação, a mobilidade parcial do braço por conta das cirurgias, as dores, a depressão. Comecei treinando dentro das minhas possibilidades, sempre com acompanhamento. Fui recobrando minha autoestima, tão abalada há tanto tempo. Recuperei a mobilidade do braço, me livrei das cãibras abdominais e das dores na mama que me acometiam desde a operação. Hoje, consigo vestir um top sem sentir vergonha.

vencer o câncer de mama 3
Hoje, ela consegue usar um top e se sentir bem com ela mesmo. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A parceria em casa

O apoio familiar foi fundamental, principalmente do meu marido. Ele me acompanhou de perto em todo o tratamento, sempre me consolou nos momentos de maior fragilidade. É preciso ter uma maturidade muito grande para ser parceiro de alguém que descobre um câncer. Eu sei que nem todos têm esse olhar.

Sobre o futuro

Os exames indicam que estou curada. No entanto, a medicação continua, pelo menos, pelos próximos 5 anos. Eu pretendo continuar fazendo exercícios físicos, retomar o meu trabalho, ter a minha rotina.

Quando a gente passa por uma experiência como o câncer de mama, o maior aprendizado é entender que precisamos viver o presente, fazer o melhor por nós mesmos hoje. O dia de amanhã não nos pertence ainda. Às vezes, a gente deixa de lado o que nos traz prazer.

O que você precisa saber sobre câncer de mama

O câncer da mama é o que mais afeta as mulheres no Brasil e no mundo. Por isso, falar sobre ele é essencial para lembrar a importância do diagnóstico precoce, que aumenta as chances de cura e ajudar a promover uma vida mais saudável. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se o surgimento de mais de 66 mil novos casos da doença no Brasil, apenas em 2020.

Como vimos no caso da Cristiane, a mamografia é a melhor aliada da mulher para que possíveis tumores sejam descobertos logo no início do desenvolvimento. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores. Quer saber mais sobre o assunto? Leia em: câncer de mama:  o que é, causas, sintomas e detecção precoce.

Ao continuar a usar o site, você concorda com o uso de cookies. mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close